Câmara Municipal de Triunfo
Inicio Noticias 7ª SESSÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE TRIUNFO DO SEGUNDO PERÍODO LEGISLATIVO

Noticias

7ª SESSÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE TRIUNFO DO SEGUNDO PERÍODO LEGISLATIVO

Dia 03 de novembro de 2020, realizou-se a Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Triunfo, sob a presidência do Sr. Anselmo Martins, que abriu a sessão em nome de Deus e da Lei Orgânica Municipal. Prosseguindo o senhor Presidente Anselmo...

Dia 03 de novembro de 2020, realizou-se a Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Triunfo, sob a presidência do Sr. Anselmo Martins, que abriu a sessão em nome de Deus e da Lei Orgânica Municipal. Prosseguindo o senhor Presidente Anselmo Martins Pereira colocou em votação dispensa na Ata da reunião anterior, ficando a disposição dos mesmos na secretaria desta Casa. Constou do Expediente correspondências enviadas a esta Casa, reivindicações, requerimentos e pronunciamentos dos Senhores Vereadores.

Como não haviam oradores inscritos para o pequeno expediente passou-se ao grande expediente, que por ordem dos inscritos na Tribuna Popular fez uso da palavra a coordenadora do SINDUPROM, Sra. Dinalva, iniciou referindo-se a fala de Anselmo Martins quando o mesmo disse que o salário dos professores chegava a 15 (quinze) mil reais. A Sra. Dinalva afirmou que tal afirmação não era verdadeira, pois o portal da transparência era claro quanto a isso e que podiam acessa-lo pra obter tal informação, ainda disse que o Prefeito João Batista não tinha cumprido com a promessa de valorização do magistério. Anselmo Martins esclareceu que a coordenadora não o entendeu, pois o mesmo falou que existiu professores com o salário de quinze mil reais; ainda falou quanto a votação do Projeto Lei referente aos precatórios do FUNDEB onde os vereadores votaram conforme orientação do TCU e que todos devem entender que os vereadores votam de acordo com orientações legais, e disse que era a favor dos professores terem o mesmo salário de um Juiz de Direito, pois a profissão que leva a qualquer outra era a de Professor. O vereador Antônio Estevão falou que pra conseguir algo não seria com pressões e que o melhor caminho era o diálogo e que para os professores conseguir o reajuste a melhor fonte seria a conversa. Antônio Estevam pediu aos vereadores e aos próximos que se elegessem que tivessem ciência das prerrogativas e obrigações de vereador, que fossem atrás de proposta pra alavancar a saúde, educação, esporte, questões culturais, etc. O vereador Genildo Francisco cumprimentou os presentes e iniciou sua fala afirmando ser testemunha da luta dos professores quanto a questão salarial e disse estar sempre do lado da classe. Ainda disse que não tinha se identificado como vereador por motivo de não ter conseguido defender o povo como ele gostaria de defender. Anselmo Martins cumpriu precedente regimental e se pronunciou agradecendo a receptividade do pessoal da zona rural. Esclareceu que não optou por se aposentar para não abandonar seu povo e que sempre iria servir seu povo se eleito fosse, e que se houvesse decisão quanto ao recurso do FUNDEB a câmara acataria apesar das criticas de que os vereadores estaria desviando esse recurso. Gilberto Trindade fala da sua insatisfação quanto ás suas indicações que não foram atendias e que fica indignado por ver o povo votar em pessoas que só prometem, mas sabia que a política infelizmente era assim. Esclareceu que o Deputado Carlos Veras se dispôs a ajudar com emendas parlamentares para as faixas asfálticas e com um carro para a casa de apoio em Recife. Iniciando a ordem do dia entrou em discussão sob regime de urgência especial os Projetos de Leis de nº 42, 43 e 44 que foram aprovados por unanimidade.